Prev
Next

Workshop Maternidade e Carreira: como conciliar estes desafios

O Entre Elas convida você para o Workshop Maternidade e Carreira: Como Conciliar Estes Desafios, que acontece dias 23 e 30 de abril de 2016 pela manhã com, Adriana Preto. Este não é um evento produzido pelo projeto, mas, é um evento que indicamos!

Workshop Maternidade e Carreira: como conciliar estes desafios

Proporcionar um espaço de reflexão, ampliação da consciência, elaboração, ressignificação e apoio aos desafios da maternidade e carreira, bem como, à conciliação destes papéis. Um espaço para aprender a construir o que faz sentido para sua essência enquanto mãe e profissional. Uma experiência transformadora, enriquecedora e fortalecedora.

Público-alvo: mulheres que desejem refletir sobre maternidade e carreira, seus desafios e como lidar com eles.


12901209_1005262879560861_6609706563396770895_o

 

Objetivos: Proporcionar um espaço de reflexão, ampliação da consciência, elaboração, ressignificação e apoio aos desafios da maternidade e carreira, bem como, à conciliação destes papéis. Um espaço para aprender a construir o que faz sentido para sua essência enquanto mãe e profissional. Uma experiência transformadora, enriquecedora e fortalecedora.

Público-alvo: mulheres que desejem refletir sobre maternidade e carreira, seus desafios e como lidar com eles.

Datas: 23 e 30 de Abril de 2016 Horários: das 9h às 13h + 1 Sessão de Coaching de 1h: a agendar conforme a disponibilidade Carga horária total: 9h Valor: R$490,00 em até duas vezes. Local: Ánandam Yoga e Cultura – Rua Ramiro Barcelos, 1843 – Bom Fim – POA Informações e Inscrições: (51) 8161.5420 e contato@evolucaoessencial.com.br

Prezando pela qualidade do trabalho, oferecemos vagas limitadas! Garanta já a sua!

Programação:

1º Encontro: Maternidade e carreira, seus desafios e como lidar melhor com eles. Vivências em grupo.

2º Encontro: Construindo as escolhas de maternidade e carreira que fazem sentido para essência de cada mulher. Vivências em grupo.

3º Encontro: Sessão de Coaching individual com a Psicóloga, Master Coach e Consultora em desenvolvimento humano Adriana Preto Rutzen. Agendamento conforme a disponibilidade de agenda de ambas as partes.

Facilitadora: Adriana Preto Rutzen é Psicóloga, Master Coach e Consultora com mais de 10 anos de estudos e trabalhos voltados ao desenvolvimento do potencial humano e de sua saúde integral. Possui experiência em consultoria interna e externa de RH e no atendimento de profissionais das mais diversas áreas, níveis hierárquicos, fases de vida e carreira. Graduada em Psicologia pela PUCRS, possui MBA em Gestão e Marketing, Especialização em Dinâmica dos Grupos e em Psicoterapia Sistêmica para Indivíduos, Casais e Famílias. Realizou diversas formações em Coaching pessoal, executivo e de lideranças, reconhecidas internacionalmente pelo ICI (International Association of Coaching Institutes) e pela Corporate Coach U. Certificada em diversas ferramentas de avaliação de perfil de personalidade como Hogan Assessment System, DISC e Eneagrama, competências (Assess) e inteligência emocional (Sixseconds). Certificada em PNL pela The Society of NLP e Richard Bandler. Palestrante sobre temas ligados a liderança, carreira, desenvolvimento e saúde integral do ser humano. Co-autora do livro Coaching na Prática. Mentora e Coach de outros psicólogos, coaches e profissionais de RH. Apaixonada pelo desenvolvimento humano, sendo uma eterna estudiosa do assunto e buscadora do autodesenvolvimento. É fundadora da Evolução Essencial e mãe do Arthur.

Mulheres: mamães, gestantes e tentantes, estão todas convidadas! Vamos olhar juntas, com cuidado, carinho e atenção para este grande desafio presente na vida de muitas de nós! Homens: convidem e apoiem suas parceiras para que elas possam se fazer presentes neste evento!

12 abr 2016

Prev
Next

Feliz Páscoa!

EntreElas-Páscoa-02-2016

 
Vamos aproveitar que é Páscoa, a festa da vida, e agradecer pelas nossas vidas. Gratidão traz tantas coisas boas, que nem sobra espaço pra nada de ruim. Feliz Páscoa!
#pascoa #festadavida #gratidão
EE-Colunista-03

27 mar 2016

Prev
Next

Páscoa Empreendedora

Em vez de comprar aquele ovo super caro de grandes redes de mercado, compre chocolates de uma empreendedora local, um presente feito a mão por alguém do seu bairro ou de uma feira de artesanato da sua cidade. Incentive a economia da sua região e dê um apoio ao empreendedor que está encarando as dificuldades diárias e faça da Páscoa um dia de renovação e impacto social real.

O inicio de cada mudança começa por você!

25 mar 2016

Prev
Next

Empoderamento e controle

 

Tenho estado em diversos ambientes onde empoderamento é sem dúvidas uma palavra da vez. Não sei se motivado pelo mês da mulher mas esse termo está latente aqui e ali.

Fico feliz que nos grupos mais diversos esse conceito tem se disseminado e criando raiz. É a mulher que se empodera da própria condição de mudar a realidade, é o profissional que se empodera de mudar o rumo da própria carreira, enfim, é sempre o oprimido que se empodera contra o opressor.

Acho esse movimento próprio de uma geração que não aguarda, que precisa e faz agora. E acho fantástico que todos os contextos onde encontro discussões sobre empoderamento ele vem apimentado com expressões como liberdade, propósito, essência e valores. E não poderia ser diferente, empoderar-se significa abraçar todas essas palavras e suas implicações práticas e tocar ficha.

Porém, outro ponto comum nesses ambientes de discussão é o ponto de vista “oprimido – opressor”. Ou seja: vamos nos empoderar (nós oprimidos vamos nos empoderar). Mas será que saberemos lidar com o empoderamento alheio quando estivermos do outro lado? O do opressor? Porque há de ser honesto, mesmo quem não é declaradamente opressivo pode ter, vez ou outra, comportamentos opressores (mesmo que involuntariamente). Não somos anjos, somos fruto da sociedade. Se somos 99% anjo, aquele 1% pode sim, oprimir alguém.

Onde eu quero chegar é na seguinte questão: mesmo estando cientes da necessidade de haver empoderamento na sociedade, e que empoderamento é o oposto de controle, vamos saber lidar com o empoderamento alheio?Vamos saber largar o controle para que o outro assuma o poder sobre si? Estamos nos preparando para isso?

Quando nossos filhos se empoderarem, quando nossos funcionários se empoderarem, quando nossos maridos se empoderarem, quando nossos sócios se empoderarem, vamos saber largar o controle e acolher esse empoderamento com generosidade e auto estima?

Vamos estar empoderadas o suficiente para que o empoderamento alheio não nos oprima?

EE-Colunista-Malu-Leitão

EE-Colunistas-aviso-geral

23 mar 2016

Prev
Next

Calendário 2016 Entre Elas + ilustras Nicky Silva

EntreElas-calendário

Quer ter um calendário 2016 mais que especial?

O Entre Elas desenvolveu em parceria com a ilustradora Nicky Silva, um calendário com o crescimento da mulher no decorrer de um ano, como o seu projeto, a sua ideia, seu planejamento, todos nascemos pequenos e ao decorrer do nosso crescimento erramos e aprendemos, amadurecemos e evoluímos!

Ficou curiosa?

Ele já está disponível para download. Para garantir o seu acesse aqui e escolha a rede que deseja compartilhar. O link para download do arquivo é liberado assim que você compartilhar.

Depois que imprimir, mande fotos para a gente ou use a #projetoentreelas

Acompanhe mais novidades em nosso Instagram @projetoentreelas

Bruna Bacin Rauber moda design entre elas

22 mar 2016

Prev
Next

Looks Rabusch – Moda para Mulheres de Sucesso

A Rabusch foi parceira do Projeto Entre Elas, vestindo a equipe com lindos looks para o primeiro Encontro do ano, que ocorreu dia 09/03 em comemoração ao mês da Mulher na Ftec NH.

A marca é voltada ao público feminino e tem seu foco em vestir as mulheres com elegância e estilo para trabalho. “O objetivo principal da Rabusch é vestir a mulher em todos os seus momentos de trabalho, entregando moda com estilo, versatilidade, conforto e durabilidade.” Consideramos isso essencial para a mulher empreendedora, estar sempre bem vestida em todas as ocasiões de trabalho (reuniões, eventos, apresentações, visitas a clientes, enfim…)

“A Rabusch é uma rede de Lojas de Moda Feminina fundada em 1986, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Atualmente possui 20 lojas próprias e 22 franquias, estando presente no RS, SC, SP e RN.
Por vender somente produtos de marca própria, a Rabusch investe constantemente em pesquisa, para a criação e desenvolvimento de novos produtos de acordo com as grandes tendências mundiais da moda para Jovens Executivas, o que a torna diferenciada em seu segmento de atuação.”

Acessando o site, além de saber tudo sobre a marca e os canais que eles estão presentes, você já confere o catálogo da coleção de inverno que está deslumbrante. Abaixo, um pouquinho da loja de Novo Hamburgo (situada na Rua Lima e Silva, 444 – telefone 3593-4882) e os looks que cada uma das meninas da equipe escolher para o evento. Lembrando que no site você consegue encontrar a Rabusch mais próxima de você.  


IMG-20160302-WA0011
IMG-20160302-WA0012 IMG-20160302-WA0013 IMG-20160302-WA0014 IMG-20160302-WA0015 IMG-20160302-WA0016 IMG-20160302-WA0017 IMG-20160302-WA0018 IMG-20160302-WA0019 IMG-20160302-WA0020 IMG-20160302-WA0021 IMG-20160302-WA0022 IMG-20160302-WA0023 IMG-20160302-WA0024 IMG-20160302-WA0031 IMG-20160302-WA0032 IMG_20160302_210559 IMG_20160302_15333110912113389_658465420959553_8582684393079965411_o 12828361_658465384292890_7374912166202327644_o 921127_658465347626227_4417787211452484471_o 12022416_658465317626230_3275521604475960125_o

EE-Colunista-03

21 mar 2016

Prev
Next

EMPREENDER, A SOLUÇÃO. SERÁ?

empreendedorismoé a solução.será-

Em tempos de crise, desemprego e dificuldades o empreendedorismo surge como uma tábua de salvação. Afinal, temos que continuar sobrevivendo, e matar um leão por dia para que nosso negócio permaneça em pé. Um início por necessidade pode ser uma faca de dois gumes. Ao mesmo tempo em que daremos o sangue para que dê resultado, pode-se meter o pé pelas mãos. Empreender sem planejamento pode gerar grandes frustrações e prejuízos. Não é difícil perceber a rotatividade das salas comerciais. Hora com um comércio, hora novamente com a placa de “aluga”. Além de um negócio que fechou: o sonho que acabou emprego e serviços que se foram. Mas o empreendedor nato é otimista, e novamente este ciclo vai ocorrer.

De acordo com Ana Fontes, da Rede Mulher Empreendedora, há muito que se fazer pelo empreendedorismo no Brasil. “Eu tenho dúvida sobre o caminho certo porque ainda temos muitos entraves. Temos a questão cultural, pois não temos uma cultura empreendedora”…

Falta, como é sabido por todos, apoio principalmente ao pequeno como burocracia legal e os famosos altos impostos. Estes empecilhos resolvidos, o caminho seria mais tranquilo.

Mas com a teimosa positividade do empreendedor surgirão novas possibilidades.

“Com isso ele cria caminhos, segundas vias para conseguir ter um ecossistema que funcione. Segundo a minha percepção ainda é um ecossistema que falta muito a ser construído. Analisando isso tudo, eu diria que estamos trilhando um caminho, mas ainda não está claro se estamos no caminho certo. Acho que vamos acertando durante o processo.” Afirma Ana.

Então usemos das qualidades dos empreendedores uma forma de trilhar um caminho para o crescimento. Baixar cabeça, capacitar, trabalhar, focar no cliente, trabalhar em rede. Crise sempre vai existir. Um empreendedor consumindo do outro e fazendo a roda da economia girar. Pode ser o único caminho!

EE-Colunista-Viviane-Luckmann

EE-Colunistas-aviso-geral

15 mar 2016

Prev
Next

O que esperar de 2016?

 

Sobrevivemos ao ano de 2015! O ano que tentou assustar os nossos bolsos passou, mas o que sobrou dele? Um novo ano para continuarmos trabalhando.

Em um texto anterior, falei sobre como enxergava o empreendedorismo na tal crise, que as oportunidades continuavam aparecendo e que deveríamos continuar correndo atrás. Ainda acredito nisso. Acho que os empreendedores serão o carro chefe dos negócios daqui para frente, só que precisarão aperfeiçoar algumas qualidades.

Quem decide pelo empreendedorismo sabe, ou acaba descobrindo depois, que terá de aprender muitas coisas fora de sua área de atuação. Assuntos como administração, comunicação, contabilidade, finanças e autoconhecimento são básicos para um negócio, e quem não sabe, aprende. Mas o que vem depois, que servirá para este ano é: negociação, inovação, criatividade e fidelidade.

A negociação, em tempos de crise, é fundamental. Hoje a concorrência de mercado é imensa, o cliente procura o melhor preço e sabe negociar, então cabe a nós negociarmos também. Faça um preço justo ao trabalho que irá entregar, e agregue valor a este trabalho.

A inovação não precisa ser algo nunca feito, pode ser algo que já existe, mas feito de um jeito novo. A criatividade acompanha a inovação, e a fidelidade entre cliente-empresa é o resultado de tudo isto.

O ano de 2016, para os negócios, continua estremecido, mas para quem souber realizar um bom trabalho, com as quatro palavrinhas escrita anteriormente, certamente, terá sobreviverá mais um ano.

EE-Colunista-Luana-Martins

EE-Colunistas-aviso-geral

09 mar 2016

Prev
Next

Você deve ser a primeira opção de seu cliente.

Seja presente, faça com que ele lembre de você no momento da compra, da necessidade.

                 Quem trabalha com vendas, quem empreende e está na luta há algum tempo, certamente já ouviu a frase: “Lugar de vendedor é na rua, no cliente! Se quer vender tem que ser lembrado, tem que estar na mente do comprador no momento que ele precisar fazer um compra”.

                O mundo mudou, o mercado mudou, as empresas aperfeiçoaram os processos, as estruturas ficaram mais enxutas e o tempo de resposta para tudo foi reduzido, fruto da evolução dos meios de comunicação, como as redes sociais. Portanto, o tempo que os clientes dedicavam a receber os vendedores, aquele cafezinho que o vendedor usava como causa para poder fazer uma visita, colher uma informação importante ou até mesmo se aproximar do cliente criando uma empatia, praticamente foi extinto, principalmente nos grandes centros.

                Mesmo com essa nova forma de se relacionar com o cliente mais à distância, mas ainda próxima e pessoal, a frase que iniciei o texto continua conexa. Ser a primeira opção continua sendo uma grande vantagem competitiva para o vendedor. Isso garante uma posição favorável em relação aos seu concorrentes, certamente, as chances de conseguir vender aumentam de forma muito expressiva.

                 As redes sociais são ferramentas que, quando bem usadas, aproxima as pessoas, seja no domínio pessoal como no campo profissional. A utilização de redes sociais para se relacionar com os clientes deve ser usada com muito bom senso e ética profissional, este é o maior desafio. As interações das grandes empresas com seus consumidores finais estão sendo feitas pelas redes sociais de forma exponencial e os resultados são extraordinários! Adicione seus clientes na conta do Facebook, Instagram e LinkedIn. Nem todos os clientes vão aceitar por entender que esse tipo de relacionamento é apenas para assuntos pessoais, mas aos poucos esse paradigma vai sendo quebrado e você terá a chance de interagir postando novidades da sua empresa, produtos e, por que não, também abordando aspectos pessoais como enviar felicitações aos aniversariantes, ou o simples fato de curtir a foto e dar um parabéns de comentário mostra que você dedicou alguns minutos e se importou com a pessoa. Parece que não, mas pense como você fica feliz quando no dia do seu aniversário vê centenas de mensagens. E lembre-se de deixar claro em seu perfil sua atuação profissional, para ser lembrado para a coisa certa!

                São várias possibilidades de interação que as redes sociais possibilitam, então use com moderação e profissionalismo, sempre. Se você conseguir usar essas novas ferramentas para ser presente com o seu cliente, pode ter certeza de que será lembrado assim que ele precisar comprar, mesmo não estando fisicamente.

EE-Colunista-Adriana-BreierEE-Colunistas-aviso-geral

08 mar 2016

Prev
Next

De quem é a culpa?

Hoje vou falar algo diferente de Propriedade Intelectual.

Na semana passada assisti dois vídeos que foram ao encontro de como eu penso e tento, vejam bem, tento agir.

Um deles é o vídeo da Bel Pesce, que vocês já devem ter visto. Neste vídeo, ela lê a carta de um gringo sobre o Brasil.

O resumo da ópera é que o país não está nesta situação, somente por causa do governo. Nós, isso mesmo, nós temos muita culpa no cartório.

Quem já não comprou uma antena no Paraguai para não precisar pagar por TV a cabo? Quem nunca baixou livro pela internet?

Esses “pequenos” atos nos tornam corruptos, nosso famoso jeitinho brasileiro de conseguir as coisas de um modo mais fácil que o tradicional.

Mas podemos pensar, poxa vida, estamos falando de coisas tão pequenas, tão insignificantes perto do tamanho dos escândalos que estão aparecendo! Mas lembrem-se que tudo começa pequeno.

O outro vídeo é de um cara que eu poderia ficar horas escutando o Cortella. Na verdade neste vídeo tem dois grandes caras, um que eu já falei, o Mario Sergio Cortella e o outro é o Clóvis de Barros Filho. O vídeo é bem extenso (mas vale a pena) porém a parte que quero compartilhar com vocês, é a parte que o Cortella cita a frase do grande filósofo Immanuel Kant ”se você não pode contar como fez, não faça” e fala de caráter  (começando no tempo de 44:29 até o fim do vídeo).

Bingo! Bingo! Bingo!

Na minha cabeça agora lateja uma palavra muito forte, que poderia tornar o nosso mundo melhor. Empatia!

Poderíamos melhorar o nosso bairro, nossa cidade, nosso país, começando com coisas pequenas, quer um exemplo?

Quem separa o lixo? Se eu me colocar no lugar da outra parte, que alguém trabalhando pode se cortar se EU não separar o vidro quebrado, eu vou separar.

Assim também é no mundo dos negócios, somos tão vaidosos e egoístas que o ganha ganha não é favorável, o favorável é eu ganho mais e o outro menos, e é o que estamos vendo no nosso governo.

E como saber se colocar no lugar do nosso cliente é importante, somente assim, podemos entregar-lhe o melhor produto ou melhor serviço, podemos entender a necessidade dele e não a nossa.

Saber se colocar no lugar do outro antes de fazer qualquer coisa. Como eu me sentiria se alguém fizesse isso pra mim? Ou como meu professor Marcelo Vier disse quando falávamos sobre isso, como eu me sentiria se fizessem isso para meu filho? Para minha mãe? Pois as vezes somos duros com nós mesmos e podemos boicotar nosso pensamento, se fosse comigo eu aguentaria.

Não estou pedindo para sermos bobos, e deixar que nos façam de gato e sapato, nem que devemos fazer tudo pelos outros, não! Só só estou pedindo para pensarmos antes de agir, e se fosse
comigo e com minha família?

EE-Colunista-Fernanda-Rauter

EE-Colunistas-aviso-geral

03 mar 2016